terça-feira, 29 de setembro de 2015

Bel Pesce - Comine 2015


Boa vida pessoal!
Então, hoje resolvi escrever sobre minha experiência ontem no Comine 2015 (Congresso Mineiro de Empreendedorismo), e o porque as palavras da empolgante Bel Pesce me tiraram o sono.
Primeiramente achei a palestra muito interessante, na palestra ela fala basicamente sobre a vida dela e como o espírito empreendedor e sua curiosidade a levaram do Brasil a Boston e ao Vale do Silício (EUA). E como, com essa ambição, conseguiu, aos 27 anos, construir uma carreira (ou melhor, várias carreiras) de sucesso.
Nessa madrugada, acordei por volta de 3:45h e estava pensando na minha vida. Deveria até ter pegado um caderno e anotado tudo que pensei, pois não foi pouca coisa.
Mas me deparei com uma tristeza muito grande por causa de uma dúvida que está me matando nos últimos dias. A dúvida é: Eu fiz as escolhas certas, pra mim?
Bem, vejamos... Tenho 25 anos, não tive um relacionamento de confiança com meus pais na minha adolescência, entrei na faculdade de enfermagem com 17 anos e achei a coisa mais fascinante que fiz na minha vida. Gostava mesmo do curso.
Meus pais, durante minha infância e adolescência, saíram da pobreza e conseguiram se encaixar na classe média com muito esforço e dedicação. Esforço este que redeu em uma empresa bem estruturada na qual eu ajudava-o como podia desde que tinha 15 anos. Porém não me interessava pelo trabalho pois essa relação de desconfiança fazia com que eu tentasse me manter afastado de tudo que haviam construído e seria imposto a mim posteriormente.
Porém, antes de terminar o curso de enfermagem, desisti do mesmo para entrar de cabeça no comércio dos meus pais. Comecei minha atual faculdade de Contabilidade (a qual não tenho muita afinidade mas está sendo útil na parte empreendedora que eu deveria desenvolver) e passei a trabalhar incisivamente na empresa da família.
Dentro de dois anos esta empresa cresceu muito, dando origem a mais duas empresas. Eu sou responsável por uma delas, mas ainda não me sinto seguro para dizer que trabalho bem, pois minha capacidade de trabalho sempre foi colocada em cheque pela imensa capacidade que meu pai sempre teve de construir e crescer no comércio.
Então, nesta madrugada, estive pensando no que eu deixei para exercer um papel que talvez nunca serja reconhecido? Fiz a escolha certa em tentar ajudar minha família mesmo sabendo que em alguns assuntos eles não estão dispostos a se sacrificarem pela minha felicidade? Estou fazendo muito ou estou fazendo pouco demais? Fiz muito por mim e nada por eles ou muito por eles e nada por mim?
Sinceramente não sei. Essa dúvida está me matando.
Mas o sentido de ouvir palestras e abrir a cabeça para as experiências de outras pessoas é este mesmo, questione-se!

O que mais me marcou na palestra de ontem foi quando ela falou dessa imagem que segue. Realmente tudo muito real e verdadeiro.
Parabéns à Bel Pesce pelo trabalho e que sirva de inspiração para a minha vida e de outras pessoas.
Quem quiser conhecer mais o trabalho dela, entre no link abaixo que lá tem tudo relacionado.

BEL PESCE